quinta-feira, 31 de março de 2011

Angra dos Reis

Não me importo em atribuir-lhe o peso da culpa, queria poder te expulsar, mas estou diretamente ligado a você e é só questão de tempo para desaparecermos. Agora é o que temos: somente um ao outro, você fez questão que fosse assim. Não pensou que poderíamos precisar de alguém para dar os remédios, ler poesia, contar uma história? Você nos condenou à solidão e agora esperamos as estrelas caírem, sinto saudade de quando éramos apenas um, ou éramos apenas você, meu lado são, alegre e desmedido. Irresponsável, contaminável, foi isso que você foi, queria abraçar o mundo? Pois é, agora fazemos parte desse caráter pandêmico, de certa forma você conseguiu. Seu coração perfeito ainda bate, bate no compasso de uma marcha fúnebre, bate à toa, e isso dói.
Tem dias em que tudo está em paz, e agora é só o calor de nossa febre que queima as infecções plantadas, que queima tudo ao redor, que queima nossa esperança. Tenho medo, olho pro céu e precipito nosso fim, a culpa é toda sua e nunca foi...
Pensou que não haveria perigo brincar nessa usina nuclear, onde o sexo, as drogas e até mesmo sua coragem eram radioatividade pura? Sua imprudência agora mutila todos os descendentes que nunca chegaremos a ter, deixa pra lá, a angra que é dos reis.
Vai ver que não é nada disso, vai ver que eu já nem sei quem sou, noto você partindo e grito a um monstro invisível, me diz, me diz pra onde eu devo fugir. Tarde demais, pode rir agora que estou sozinho e mesmo contrariando os meus desejos, eu sei que é você quem vai voltar, que é você quem vai roubar-me a vida.

Inspirado na música de Renato Russo, Renato Rocha e Marcelo Bonfá.

3 comentários:

  1. paulo henrique dos santos(Biá)2 de abril de 2011 19:31

    mermão to arrepiado cara muito bom muito bom mesmo parabens!!!!abraçaum

    ResponderExcluir
  2. Perfeita adaptação, Cezar. Curti muito mesmo! Parabéns! Superando-se e surpreendendo sempre.

    ResponderExcluir
  3. Tem palavras que penetram em nós, pelos caminhos deixados pela ferida talvez nunca fechada, apenas disfarçada. Seu texto me levou pra tantos lugares que nem sei dizer quais...parabéns!!!

    ResponderExcluir